AFACEESP - Associação dos funcionários aposentados e pensionistas do Banco Nossa Caixa

(11) 94721-0605

|

08000-175-007

|
Menu

Área Restrita do Associado

Área Restrita do Conveniado

Associe-se

Os filhos têm obrigação de sustentar os pais na velhice – conheça o estatuto do idoso
Fique por dentro

Notícias

Os filhos têm obrigação de sustentar os pais na velhice – conheça o estatuto do idoso
23 de janeiro de 2017
Atualizado: 23/01/2017

Os filhos têm obrigação de sustentar os pais na velhice – conheça o estatuto do idoso

Aos pais ou
responsáveis por uma criança cabe a obrigação de prover seu sustento, condições
dignas de sobrevivência, segurança e também a instrução, até atingir a maioridade.
Isso é bastante claro para a maioria das pessoas. Afinal, parece mesmo lógico:
quem traz ao mundo um indivíduo, deve arcar com todas as responsabilidades e na
falta do pai e da mãe, parentes próximos ou mesmo o governo precisam tomar para
si esta tarefa, pelo simples fato de que uma criança não pode prover seu
próprio sustento.

No entanto, ainda há
polêmica e debate – apesar de a legislação ser bastante clara – quanto à
responsabilidade dos filhos para com os pais idosos. Afinal, a velhice pode diminuir
bastante o dinamismo de um indivíduo. A aposentadoria existe justamente por
esta razão – porém não é só pelo trabalho que os idosos ficam incapacitados. Na
maioria dos casos, precisam de cuidados médicos, de ajuda para cuidar de seu
lar (quando moram sozinhos), de sua higiene e de sua alimentação. A lei foi
criada como forma de incentivar os filhos a cuidarem de seus pais na velhice e
reduzir o grande número de abandono, inclusive em asilos de todo o país.

No entanto, a lei não regula apenas o abandono propriamente dito. De acordo com
Antonieta Nogueira, especialista em Direito do Idoso, não é somente quando se
abandona um idoso em um asilo que o conceito vale. Ainda que o idoso viva com
os filhos, se encontrado sem as devidas condições de higiene, segurança,
alimentação e sem as devidas medidas de preservação de sua saúde física ou
mental, o abandono é configurado e podem ser aplicadas as respectivas
penalidades previstas em lei.

O Estatuto do Idoso –
Lei 10.741 de outubro de 2003.

O Estatuto do Idoso
surge como uma forma de regular e detalhar o Artigo 229 da Constituição
Federal, que define “os pais têm o dever de assistir, criar e educar os
filhos menores, e os filhos maiores têm o dever de ajudar e amparar os pais na
velhice, carência ou enfermidade”. O Estatuto do Idoso se refere a pessoas
com mais de 60 anos e define ser: “obrigação da família, da comunidade, da
sociedade e do Poder Público assegurar ao idoso, com absoluta prioridade, a
efetivação do direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, ao
esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao
respeito e à convivência familiar e comunitária”.


Casos atípicos

Infelizmente a nossa
realidade, muitas vezes, não se aplica ao que prega a lei. Assim, embora também
seja obrigação dos pais arcar com a educação, a assistência e o sustento dos
filhos, não é raro o abandono de menores pelos pais e há casos nos quais os
pais retornam na velhice pedindo auxílio aos filhos que abandonaram. Neste
caso, é preciso recorrer ao código civil e à analogia do direito. Afinal, o
princípio da reciprocidade que sustenta a obrigação de os filhos assistirem aos
pais idosos deixa de se aplicar. Se o idoso que requer assistência não assistiu
aos filhos na infância, pode encontrar obstáculos para consegui-la por parte
dos mesmos. Assim, de acordo com o artigo 1.638 do código civil, “perderá
por ato judicial o poder familiar o pai ou a mãe que: I – castigar
imoderadamente o filho; II – deixar o filho em abandono; III – praticar atos
contrários à moral e os bons costumes (…)”

Outra questão a ser
ressaltada é que, a princípio, é importante respeitar ao máximo possível a
vontade dos idosos, quando for considerado o princípio da reciprocidade.
Afinal, só porque um indivíduo possui algumas limitações trazidas pela velhice,
não significa que perdeu sua identidade e sua vontade de tomar suas próprias
decisões. Por isso, cabe aos filhos respeitar a sua vontade e garantir que o
idoso viva – caso a escolha não represente riscos a si próprio ou a outras
pessoas – da forma que estiver mais feliz. Privar um idoso se sua liberdade e
da sua capacidade de viver tal qual acredita ser melhor também pode configurar
maus tratos, uma vez que a lei é clara a respeito da preservação da saúde
mental, que pode ser prejudicada com contrariedades impostas pelos filhos e
agravadas pela condição de idoso.
Autor Medeiros Araujo ADV 

Últimas Notícias

24 de agosto de 2022

Atualizado: 24/08/2022

Programa de Hospedagem tem calendário de eventos

Publicação permanente para divulgar eventos especiais nas regiões dos hotéis conveniados Os associados da Afaceesp têm mais uma opção para avaliar as atrações dos locais onde estão situados os hotéis

09 de novembro de 2022

Atualizado: 09/11/2022

Cassi para os egressos da Nossa Caixa

Comunicado do Escritório Innocenti esclarece atuação junto ao Ministério Público do Trabalho de Brasília.

28 de outubro de 2022

Atualizado: 28/10/2022

Comunicado Afaceesp

Aos egressos do Banco Nossa Caixa que se aposentaram no Banco do Brasil ou ainda estão em atividade no Banco – Ação Civil Pública do Ministério Público do Trabalho de Brasília ajuizada em 2012 (opção pelo plano de saúde da Cassi)

09 de setembro de 2022

Atualizado: 09/09/2022

MURAL – Eleições Deputados Estaduais e Federais (*)

Afaceesp implanta Mural de Eleições para deputados estaduais e federais por São Paulo