AFACEESP - Associação dos funcionários aposentados e pensionistas do Banco Nossa Caixa

(11) 94589-6949

|

08000-175-007

|
Menu

Área Restrita do Associado

Área Restrita do Conveniado

Associe-se

Ação coletiva Feas – Nota dos advogados
Fique por dentro

Notícias

Ação coletiva Feas – Nota dos advogados
20 de fevereiro de 2019
Atualizado: 20/02/2019

Ação coletiva Feas – Nota dos advogados

Ação
Coletiva sobre alteração do Regulamento original do Feas em 2009

Negados recursos do Banco do Brasil e do
Economus

Reafirmada a competência da Justiça do Trabalho

 

A Vice-Presidência do Tribunal Superior do
Trabalho (TST) em 11/02/2019 negou seguimento aos recursos extraordinários interpostos pelo Banco do Brasil e Economus, reafirmando a competência da
Justiça do Trabalho para apreciar a ação.

O Ministro Renato de Lacerda Paiva acertadamente
consignou em sua decisão que o quadro fático delineado no acórdão recorrido é
no sentido de que a pretensão deduzida decorre da relação de trabalho,
circunstância que atrairia a competência da Justiça de trabalho, em consonância
ao art. 114, IX da Constituição Federal.

Importante registrar ainda que desta decisão cabe
recurso.

 

  
Vivian
Cavalcanti de Camilis
 – Innocenti Advogados
Associados

 


Relembrando
: a ação foi julgada procedente em
primeira e segunda Instância da Justiça do Trabalho. Condenou o Banco do Brasil
a garantir assistência médica aos associados da Afaceesp representados na ação
coletiva nos mesmos moldes do regulamento original do Feas, sem a cobrança
unilateral de mensalidades imposta em 2009 (4,72% percapita).

Posteriormente o
Tribunal Regional do Trabalho reformulou o entendimento sobre a competência da
Justiça do Trabalho e, como consequência, cancelou as decisões favoráveis
anteriores.

Os advogados da
Afaceesp recorreram ao Tribunal Superior do Trabalho e obtiveram decisão
favorável, isto é, a competência para julgar a matéria é realmente da Justiça
do Trabalho e não da Justiça Comum como entendeu o Tribunal Regional de São
Paulo.

O Banco do Brasil e o
Economus recorreram tentando levar a discussão ao STF por meio de recurso
extraordinário que foi negado, conforme informado pela Dra. Vivian na nota
acima.

 


Luta continua
– a previsão é no sentido de aguardar
eventual interposição de recurso pelas partes (Banco do Brasil/Economus) para,
se confirmada em definitivo a competência da Justiça do Trabalho, o processo
retornará ao TRT-SP para reapreciação do mérito.

 

Mérito? – o regulamento do Feas não poderia ter sido alterado
para impor unilateralmente a cobrança de mensalidade, devendo o Banco do
Brasil, como sucessor do Banco Nossa Caixa, assumir o patrocínio da assistência
médica nos moldes do regulamento original (sem cobrança de mensalidade).
Deve
ser lembrado, também, que a ação apresenta pedido alternativo (Banco arcar com
60% conforme ocorre na Cassi para os funcionários de origem do BB)

 


Ação judicial não é contra o plano Feas, muito menos
contra o Economus
. É contra o Banco do Brasil, pedindo para que ele
responda pelas responsabilidades assumidas pelo Banco Nossa Caixa quando
autorizou o Economus a implantar o Regulamento do Fundo Feas em 1989.

 

Brevemente, mais
informações sobre a questão Feas. Aguardem.

Últimas Notícias

05 de setembro de 2023

Atualizado: 05/09/2023

Plano de Saúde Associados da Cassi – saiba a importância da luta da Afaceesp

A ação é de 2012, teve sentença favorável em 2014; confirmada em 2016 pelo TRT de Brasília; estamos em 2023 e o BB recorrendo; provavelmente o trânsito em julgado demorará

05 de setembro de 2023

Atualizado: 12/09/2023

Aniversário 42 anos AFACEESP – EXPO BARRA FUNDA

O formulário para participar da festa de 42 anos da Afaceesp já está disponível, não perca esse evento! Veja mais e baixe o formulário de inscrição aqui!

11 de abril de 2023

Atualizado: 12/04/2023

Planos FEAS do Economus

RESPOSTA DA ANS PARA A AFACEESP NÃO TRATOU DOS PRINCIPAIS ASPECTOS DA DENÚNCIA FEITA PELA ASSOCIAÇÃO

Apesar da demora para responder, pontos essenciais não foram abordados pela Agência Nacional de Saúde suplementar. Afaceesp contestou as explicações e reiterou os termos da denúncia original.